quinta-feira, 6 de novembro de 2014

CADÊ OS FOGOS, VAMOS COMEMORAR, É FESTA. Petrobras aumenta preço da gasolina em 3% e do diesel em 5%


CADÊ OS FOGOS, VAMOS COMEMORAR, É FESTA.

Petrobras aumenta preço da gasolina em 3% e do diesel em 5%



A Petrobras anunciou aumento de 3% no preço da gasolina e de 5% no diesel nas refinarias. O aumento entra em vigor a partir da 0h de sexta-feira (7).

Nas bombas, diretamente para o consumidor, o reajuste pode ser outro.

A diretoria da estatal vinha pressionando o governo por um reajuste dos preços dos combustíveis.

Em geral, a Petrobras compra combustíveis no exterior e revende-os no Brasil por um preço mais baixo, controlado pelo governo, sócio majoritário da empresa. O governo faz isso na tentativa de conter a inflação no país, mas essa diferença afeta as contas da estatal.

Apenas nas últimas semanas, com a forte queda no preço do petróleo no mercado internacional, a estatal passou a importar e vender o combustível sem prejuízo.

Ainda assim, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, tinha dito que a gasolina poderia subir no Brasil. Nos últimos meses, o ministro afirmou repetidas vezesque um reajuste de preço deveria acontecer neste ano.
Último reajuste foi em novembro do ano passado

O último ajuste de preço dos combustíveis foi em 30 de novembro do ano passado, quando a Petrobras anunciou aumento médio de 4% na gasolina e de 8% no diesel, nas refinarias.

Na época, especialistas calcularam que a alta da gasolina ao consumidor final seria de cerca de 3%.
Metodologia para reajuste dos combustíveis foi proposta há um ano

Em outubro do ano passado, a Petrobras tinha pedido ao seu Conselho de Administração uma nova política de preços, que previa reajustes automáticos e periódicos de combustíveis, conforme a necessidade de alinhamento com os valores praticados no mercado internacional.

A fórmula desagradou a presidente Dilma Rousseff porque poderia aumentar a inflação e criar um mecanismo indesejável de indexação (aumentos automáticos sempre que uma determinada situação é atingida). A indexação foi um dos problemas para o país controlar a hiperinflação que existia até os anos 1990.

O Conselho da estatal, presidido pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, aprovou a implementação de uma política de preços, mas não divulgou mais detalhes sobre essa nova proposta. Na época, a Petrobras divulgou aumento do preço da gasolina em 4% e do diesel em 8%.

Analistas criticaram a decisão, dizendo que a falta de clareza sobre os critérios mantém incertezas para o mercado, em um momento em que a empresa enfrenta defasagem dos preços domésticos na comparação com os internacionais.


(Com Reuters e Valor)

A Secretaria Municipal de Saúde de Antonio Martins realiza dia “D” de vacinação contra Pólio e Sarampo neste sábado (08/11/2014)


 A Secretaria Municipal de Saúde de Antonio Martins  realiza dia “D” de vacinação contra Pólio e Sarampo neste sábado (08/11/2014)


Secretária Drª Clébia Fernandes lembra pais para levarem carteira de vacinação

A Prefeitura de Antonio Martins, através da Secretaria Municipal de Saúde, informa que estará realizando neste sábado, 08 de novembro, o dia “D”da vacinação contra a Poliomielite e o sarampo, dando início à campanha, que se estenderá até 28 de novembro.

Vacinação será no Hospital Maternidade Justino Ferreira das 08h00 às 17h00

As doses poderão ser tomadas no Centro de Saúde, que está funcionando temporariamente em ala anexo no Hospital Maternidade Justino Ferreira, das 08h00 às 17h00, bem como nas escolas municipais dos bairros Muquém e Alto da Ema, das 08h00 às 10h00 horas da manhã.

A vacina contra a Pólio, doença também conhecida como paralisia infantil, é destinada a crianças de 6 meses a 5 anos incompletos, enquanto contra o Sarampo é de 1 ano aos 5 anos incompletos e protege contra a caxumba e a rubéola, sendo conhecida como tríplice viral.

A secretária municipal de Saúde, Drª Clébia Fernandes, lembra aos pais para levarem a caderneta de vacinação. O atendimento será feito em conjunto com os agentes comunitários de saúde.

Como forma de intensificar a campanha, haverá um segundo dia “D” de mobilização nacional contra a Pólio e o Sarampo, que está marcado para o sábado, 22 de novembro.

FONTE: Ascom/PMAM

Reforma política: ENTENDA OS TEMAS MAIS POLÊMICOS


Reforma política:

ENTENDA OS TEMAS MAIS POLÊMICOS

Da BBC Brasil em Brasília
PorJoão Fellet

Anunciada como a prioridade da presidente reeleita, Dilma Rousseff, em seu segundo mandato, a reforma política gera controvérsias entre os partidos políticos brasileiros há décadas.

Não existe consenso entre as siglas quanto às principais questões em debate, e nem mesmo os partidos têm posição fechada sobre alguns tópicos. O PT, por exemplo, defende em seu programa partidário uma reforma distinta da que tem sido pregada agora por Dilma.

O Congresso discute ainda um outro projeto de reforma, elaborado no ano passado por deputados de vários partidos em resposta às manifestações de junho. Outras propostas de mudança tramitam em paralelo.

Como grande parte das propostas em discussão precisaria de aval do Legislativo, a posição do órgão é crucial no tema e deverá forçar Dilma a buscar um entendimento com deputados e senadores.

A BBC Brasil listou algumas das principais propostas de alteração nos sistemas político e eleitoral, detalhando qual a posição dos principais partidos sobre os temas e o que trava a aprovação das medidas.

Plebiscito ou referendo

O primeiro ponto de divergência é a forma como a sociedade participaria da reforma. A presidente Dilma Rousseff inicialmente defendeu que o Congresso convocasse um plebiscito em que os eleitores pudessem se manifestar sobre vários pontos da reforma. Posteriormente, os congressistas teriam de elaborar um projeto com base na decisão das urnas.

Além do PT, apoiam no Congresso a realização de um plebiscito o PCdoB e o PSOL, que têm bancadas pequenas.

Mas o PMDB – que hoje preside a Câmara e o Senado – defende que o Congresso elabore a reforma e, só depois de aprová-la, convoque um referendo para consultar a população sobre o texto. Os eleitores poderiam, então, chancelar a proposta ou reprová-la como um todo. A posição do PMDB é endossada pela ampla maioria dos partidos no Congresso, entre os quais PSDB, PP, DEM, PR e PPS.

Diante da resistência à sua ideia, Dilma recentemente indicou concordar com a realização de um referendo.

A proposta original do PT, no entanto, é outra: o partido, assim como o PCdoB e vários movimentos sociais, defende que o Congresso convoque uma Assembleia Constituinte para tratar exclusivamente da reforma política. Eles tentam colher milhões de assinaturas para pressionar o Congresso a atender seus anseios.

Financiamento de campanha

O PT, siglas de esquerda (PSOL, PCdoB) e outros partidos pequenos (entre os quais PRTB e PSDC) defendem que as campanhas sejam financiadas exclusivamente com dinheiro público, para reduzir o poder de influência de empresas na eleição.

Mas PMDB e outros partidos grandes são contra a mudança, argumentando que ela geraria mais gastos públicos com os pleitos e aumentaria o chamado "caixa dois" (arrecadação não declarada e ilegal de recursos).

O PSDB diz que o financiamento público só faria sentido se o voto for em lista (leia abaixo), modelo que diminuiria o número de candidatos na disputa. Caso contrário, a sigla afirma que o Estado gastará muito custeando as candidaturas.

Uma alternativa, defendida pela ONG Transparência Brasil, seria estabelecer um limite para as doações. Outra opção, prevista em proposta que tramita no Congresso, seria proibir apenas doações de empresas.

Esta medida, porém, também enfrenta a resistência de vários partidos, que consideram que ela favoreceria o PT. Esses partidos avaliam que, como tem grande número de militantes, a sigla arrecadaria mais recursos que as demais.

Nos próximos meses, o Supremo Tribunal Federal (STF) também deve se pronunciar sobre o tema. O órgão começou a julgar uma ação que pede o fim das doações de empresas, mas a votação foi interrompida. Se decidir que essas doações são ilegais, a posição da corte terá força de lei.

Votações majoritárias

Uma proposta elaborada por sindicatos e movimentos sociais defende que as eleições majoritárias (para vereadores, deputados estaduais e deputados federais) ocorram em duas etapas: num primeiro turno, os eleitores escolheriam um partido. No segundo, escolheriam políticos dos partidos mais votados.

Já o PSDB defende o voto distrital misto nas eleições majoritárias. Por esse sistema, os Estados seriam divididos em distritos eleitorais. Os eleitores teriam dois votos: um para candidatos de seu distrito e outro para um partido. O partido afirma que o sistema aproximaria eleitores dos eleitos e daria mais importância aos programas partidários.

O PT é contra o voto distrital, por avaliar que ele dificultaria a eleição de representantes de minorias. A sigla defende que o voto seja em listas de candidatos definidas pelos partidos. É o chamado voto em lista fechada.

Já o PMDB propõe mudança mais simples, ao defender que só os candidatos mais votados sejam eleitos. Hoje, por causa da fórmula eleitoral em vigor, candidatos muito bem votados acabam garantindo a eleição de outros membros de sua coligação partidária.

Todos os principais partidos concordam em pôr fim às coligações nas eleições majoritárias.

Mudanças na forma de contabilizar os votos em eleições majoritárias exigiriam mudança na Constituição, o que tornariam sua aprovação mais difícil.

Fim da reeleição

O PSDB defende o fim da reeleição para cargos no Executivo (prefeito, governador e presidente) e a extensão dos atuais mandatos dos governantes para cinco anos.

A maioria dos partidos não tem posição oficial sobre a proposta. Durante a campanha, Dilma disse que aceitaria discutir o tema, mas ironizou que o partido a propor o fim da reeleição (PSDB) fosse o mesmo a aprovar o mecanismo, no primeiro mandato de Fernando Henrique Cardoso (1995-1998).

Essa mudança também exigiria uma alteração constitucional.

Cláusula de barreira

A medida exigiria que os partidos obtivessem uma votação mínima em certo número de Estados para que pudessem eleger congressistas, receber recursos do fundo partidário e ter direito à propaganda eleitoral gratuita. A medida visa combater os chamados "partidos de aluguel".

Estima-se que, se aprovada, só seis ou sete dos partidos atuais conseguiriam eleger representantes para o Congresso. Hoje há 28 siglas na Casa.

O PSDB e o PMDB apoiam a medida. O PT – que em sua coalizão conta com siglas pequenas – não tem posição oficial sobre o tema. PSOL, PCdoB e outros partidos pequenos são contra a cláusula de barreira e dizem que ela concentraria o poder político em poucas siglas.

Em 2006, o Congresso aprovou a criação da cláusula de barreira, mas a medida foi derrubada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que a julgou inconstitucional. Se o Congresso voltar a aprovar a matéria, é possível que representantes de partidos pequenos recorram ao STF outra vez.

Outros temas

Há vários outros temas em discussão. Em sua proposta de reforma, o PSDB defende unificar as eleições municipais, estaduais e presidenciais e alterar a fórmula para o cálculo do tempo de propaganda eleitoral de candidatos ao Executivo. O objetivo da segunda medida é desencorajar alianças eleitorais feitas apenas com o propósito de ampliar a fatia de tempo dos candidatos.

O PT defende obrigar os partidos a ampliar o número de candidaturas de mulheres e prega regulamentar o papel de conselhos populares na aplicação de políticas públicas. Antes da eleição, Dilma publicou um decreto que trata do tema, mas a Câmara derrubou a medida, alegando que ela reduzia as atribuições do Congresso.

Já a proposta de reforma elaborada por deputados em 2013 inclui, entre outros temas, tornar o voto facultativo, exigir que candidatos estejam filiados a partidos a no mínimo seis meses antes da eleição e ampliar os requisitos para a criação de novas siglas.
Leia mais em: http://zip.net/bwp6pP

Bovespa fecha em queda de 2%, puxada por bancos e Petrobras e causa alta do Dólar é a mais alta desde 2005.


Bovespa fecha em queda de 2%, puxada por bancos e Petrobras e causa alta do Dólar é a mais alta desde 2005.

 O mercado acionário brasileiro encerrou a quinta-feira com sua segunda queda consecutiva, com investidores aproveitando para embolsar lucros diante das incertezas sobre um eventual reajuste dos preços dos combustíveis pela Petrobras e sobre a futura equipe econômica da presidente reeleita Dilma Rousseff.

Segundo dados preliminares, o Ibovespa fechou em queda de 2,01 por cento, a 52.617 pontos, e acumula recuo na semana de 3,68 por cento. O giro financeiro do pregão foi de 5,9 bilhões de reais.


(Por Priscila Jordão)

Dólar sobe ante real pela 5ª sessão e renova máxima desde 2005

O dólar subiu mais de 1,8 por cento ante o real nesta quinta-feira, avançando pelo quinto pregão consecutivo, e renovou a máxima de fechamento em nove anos e meio, ainda refletindo o quadro de incertezas sobre o futuro da política econômica no segundo mandato da presidente Dilma Rousseff.

A moeda norte-americana subiu 1,82 por cento, a 2,5607 reais na venda, acumulando alta de 6,35 por cento nos últimos cinco pregões. É o maior nível de fechamento desde abril de 2005.

Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de 800 milhões de dólares.
(Por Bruno Federowski)




Governadora entrega Unidade de Clínica Médica para o Walfredo Gurgel

Governadora entrega Unidade de Clínica Médica para o Walfredo Gurgel




A governadora Rosalba Ciarlini inaugurou, na manhã desta quinta-feira (06), a Unidade de Clínica Médica Doutor Leônidas Ferreira, no Hospital Psiquiátrico Doutor João Machado (HJM). A cerimônia contou com a presença do secretário estadual de Saúde, Luís Roberto Fonseca, da secretária Kátia Pinto (Infraestrutura), da diretora geral do Hospital João Machado, Louise Christine Seabra e de três filhas do médico homenageado com o nome da Unidade, Ângela Ferreira, Cláudia Ferreira e Virgínia Ferreira.

A Unidade Clínica Médica conta com 40 leitos de retaguarda para receber pacientes do SUS atendidos inicialmente na Rede de Urgência e Emergência como o Hospital Walfredo Gurgel. O resultado é a diminuição de pacientes esperando por leitos de enfermaria pelos corredores. “Essa Unidade será para os pacientes atendidos em situação de urgência e emergência que precisam de um período de internação maior para se recuperarem totalmente”, declarou a governadora.


Fonte:Robson Pires

O PSDB Divulga Nota à imprensa sobre um suposto acordo na CPMI do PETROLÃO:

O PSDB Divulga Nota à imprensa sobre um suposto acordo na CPMI do PETROLÃO:
O PSDB não pactua com qualquer tipo de acordo que impeça o avanço das investigações da CPMI da Petrobras.

Lutamos pela instalação da CPMI. Temos de ir a fundo na apuração do chamado ‘Petrolão’ e na responsabilização de todos que cometeram eventuais crimes, independentemente da filiação partidária.

Essa é a posição inarredável do PSDB.

Brasília, 06 de novembro de 2014

Senador Aécio Neves
Presidente Nacional do PSDB

CPI da Petrobras faz acordo para não convocar Dilma, Lula e Aécio


CPI da Petrobras faz acordo para não convocar Dilma, Lula e Aécio


Foto: Jefferson Rudy / Agência Senado

Parlamentares da CPI mista da Petrobras firmaram um acordo para blindar políticos citados durante as investigações do esquema de pagamentos de propina com recursos da estatal. Na lista de 835 requerimentos de convocação e convites apresentados, há nomes tanto do PT quanto da oposição. Entre eles, da presidente Dilma Rousseff (PT), do ex-presidente Lula (PT) e do senador Aécio Neves (PSDB). Nenhum dos pedidos foi apreciado pela comissão. O PT conseguiu barrar convocações como a da senadora paranaense Gleisi Hoffmann, a do ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, e a do tesoureiro do partido, João Vaccari Neto. O PSDB agiu para evitar a ida à CPI do empresário Leonardo Meirelles, apontado como laranja de Youssef. Meirelles disse à Justiça Federal que parlamentares tucanos também receberiam propina do esquema. Relator da comissão, Marco Maia (PT-RS), explicou que o plano de deixar de fora alguns dos personagens foi combinado em reunião preliminar, antes da sessão desta quarta-feira (5). "Gente, foi um acordo político, feito por todos os presentes, que se resolveu, em função da falta de densidade das denúncias, não produzir nenhum tipo de oitiva neste momento", disse. O deputado do PSDB de São Paulo Carlos Sampaio justifica que vai se chegar aos nomes dos políticos quando o Congresso tiver acesso aos conteúdos das delações premiadas. "Decidimos excluir os agentes políticos e os citados nas delações premiadas. Abrimos mão de ouvir Gleisi e Vaccari. Todo mundo concordou", disse Sampaio. Informações da Folha.

DILMA CAI EM RANKING DE MAIS PODEROSOS DO MUNDO


DILMA CAI EM RANKING DE MAIS PODEROSOS DO MUNDO



Presidente Dilma Rousseff desceu da 20ª para 31ª posição no ranking feito pela Forbes; o presidente russo, Vladimir Putin, novamente ficou em primeiro lugar; seguido do presidente Barack Obama, enquanto Xi Jinping assumiu a terceira posição; o papa Francisco ficou em quarto, seguido da chanceler alemã Angela Merkel

SÃO PAULO - Dilma Rousseff despencou no ranking de pessoas mais poderosas do mundo de 2014, caindo de 20º para 31º na tabela feita pela Forbes, divulgada nesta quarta-feira (5). O presidente russo, Vladimir Putin, novamente ficou em primeiro lugar.

Putin assumiu a liderança em 2013 por conta da solidificação cada vez maior de seu controle sobre a Rússia e os ex-satélites da antiga União Soviética, como a invadida Ucrânia. Em segundo lugar ficou o presidente Barack Obama, enquanto Xi Jinping assumiu a terceira posição. O papa Francisco ficou em quarto, seguido da chanceler alemã Angela Merkel.

Após ser apontada presidente do Federal Reserve, Janet Yellen foi da 72ª posição para 6º em 2014, virando a segunda mulher mais poderosa do mundo. Bill Gates caiu da sexta para sétima posição, enquanto Mario Draghi, presidente do BCE (Banco Central Europeu) ficou em oitavo. Os co-fundadores do Google, Sergey Brin e Larry Page ficaram em 9º.

David Cameron, primeiro-ministro do Reino Unido ficou em 10º e Abdullah bin Abdul Aziz Al-Saud, rei da Arábia Saudita, ficou em 11º, com Warren Buffett em 12º. Um nome notável da lista é Mark Zuckerberg, que ficou em 22º. Outro notável é o surgimento do califa Abu Bakr al-Baghdadi, líder do grupo Estado Islâmico em 54º. Foram 17 chefes de estado, 39 comandantes de empresas e 29 bilionários na lista de 75 pessoas.

Confira a lista:

Nome País

1º Vladimir Putin Rússia
2º Barack Obama EUA
3º Xi Jinping China
4º Papa Francisco Argentina
5° Angela Merkel Alemanha
6º Janet Yellen EUA
7º Bill Gates EUA
8º Mario Draghi Itália
9º Sergey Brin EUA/Rússia
9º Larry Page EUA
10º David Cameron Reino Unido
11º Rei Abdullah Arábia Saudita
12º Warren Buffett EUA
13º Li Keqiang China
14º Carlos Slim México
15º Narendra Modi Índia
16º Jeff Bezos EUA
17º François Hollande França
18º Jamie Dimon EUA
19º Ali Hoseini-Khamenei Irã
20º Rex Tillerson EUA
21º Jeffrey Immelt EUA
22º Mark Zuckerberg EUA
23º Michael Bloomberg EUA
24º Charles Koch EUA
24º David Koch EUA
25º Timothy Cook EUA
26º Benjamin Netanyahu Israel
27º Lloyd Blankfein EUA
28º Li Ka-shing Hong Kong
29° Doug McMillon EUA
30º Jack Ma China
31º Dilma Rousseff Brasil
32º Rupert Murdoch Austrália
33º Christine Lagarde França
34º Akio Toyoda Japão
35º Jay Y. Lee Coreia do Sul
35º Lee Kun-Hee Coreia do Sul
36º Mukesh Ambani Índia
37º Khalifa bin Zayed Al-Nahyan EAU
38º Masayoshi Son Japão
39º Larry Fink EUA
40º Ban Ki-Moon Coreia do Sul
41º Robin Li China
42º Igor Sechin Rússia
43º Ding Xuedong China
44º Bill Clinton EUA
45º Jim Young Kim Coreia do Sul
46º Park Geun-hye Coreia do Sul
47º Alexey Miller Rússia
48º Haruhiko Kuroda Japão
49º Kim Jong-un Coreia do Norte
50º Ali Al-Naimi Arábia Saudita
51º Abdel el-Sisi Egito
52º Elon Musk EUA
53º Ma Huateng China
54º Abu Bakr al-Baghdadi Estado Islâmico
55º Ginni Rometty EUA
56º Len Blavatnik Ucrânia
57º Lakshmi Mittal Índia
58º Martin Winterkorn Alemanha
59º Bernard Arnault França
60º Enrique Peña Nieto México
61º Alisher Usmanov Uzbequistão
62º Mary Barra EUA
63º Shinzo Abe Japão
64º Satya Nadella Índia
65º John Roberts EUA
66º Gina Rineheart Austrália
67º Margaret Chan China
68º Aliko Dangote Nigéria
69º Jeffrey Gundlach EUA
70º Joseph Blatter Suíça
71º Terry Gou China
72° Yngve Slyngstad Noruega

Atlético Mineiro atropela o Flamengo, vira o jogo no Mineirão e se classifica para a final da Copa do Brasil!


Atlético Mineiro atropela o Flamengo, vira o jogo no Mineirão e se classifica para a final da Copa do Brasil!
Depois de vibrar acreditando na classificação os Flamenguista choraram a eliminação.

Em outra virada emocionante, o Atlético Mineiro goleou o Flamengo por 4 a 1 e se classificou para a final da Copa do Brasil. Após começar perdendo, o Galo se recuperou e fez quatro gols no Mineirão. A torcida acreditou desde o primeiro minuto, empurrou o time e conseguiu a mesma façanha da semi-final. A grande final será mineira, o Cruzeiro se classificou ao empatar com o Santos por 3 a 3 na Vila Belmiro.

Empurrado pela torcida, o Galo começou a pressionar desde o início. Logo no 1º minuto, Marcos Rocha bateu lateral para dentro da área flamenguista e Carlos desviou de cabeça bem perto do gol. Aos 5 minutos, após cruzamento na área, o atacante Carlos caiu dentro da área e pediu pênalti, mas o juiz manda o jogo seguir e os atleticanos reclamaram bastante.


O Atlético dominava o jogo no Mineirão. Aos 9 minutos, novo cruzamento na área carioca. Dátolo cobrou escanteio na área, Leonardo Silva subiu mais alto e cabeceou, mas o zagueiro Léo salvou na linha do gol.

O Flamengo avançou a marcação e passou a segurar mais os ataques dos mineiros. Sem espaços, os atleticanos passram a ter dificuldades de criar jogadas e passou a arriscar cruzamentos longos, sem muito perigo.

Aos 31 minutos, o Galo quase abriu o placar. Luan recebeu na ponta direita, driblou o marcador e cruzou na área. Diego Tardelli teve tempo de dominar, driblar o zagueiro Léo e chutar na trave direita de Paulo Victor. Aos 32, novo escanteio para os mineiros. Leonardo Silva mais uma vez subiu sozinho e o goleiro fez outra boa defesa.

Aos 34 minutos, o Flamengo aproveitou um contra-ataque rápido e conseguiu seu gol. Everton avançou pela ponta esquerda, driblou dois marcadores e chutou cruzado na entrada da área, 1 a 0. A pequena torcida rubro-negra passou a fazer a festa no Mineirão.

Mas o Galo não demorou e conseguiu empatar o jogo. Aos 41 minutos, Douglas Santos cruzou na área e o atacante Carlos empurrou para as redes, 1 a 1. A massa atleticana voltou a cantar “eu acredito” e incentivar o time que tinha que fazer mais 3 gols para se classificar.

O segundo tempo retornou com mais pressão do time da casa. Aos 3 minutos, Josué tocou para Carlos no centro da área, o atacante dominou e chutou por cima do trave rubro-negra. Aos 7, o Flamengo deu o troco com Canteros, que arriscou de longe mas a bola passou ao lado do gol.

Aos 12 minutos o Galo virou o jogo. Em velocidade, Luan passou por dois marcadores e tocou para Maicosuel livre na área desempatar para o Atlético, 2 a 1. Aos 15, o Atlético quase fez mais um. Dátolo bateu uma falta com efeito e passou bem perto da trave.

O Atlético passou a jogar no desespero. Aos 18 minutos, Luan recebe na ponta direita, invadiu a área e chutou rasteiro nas mãos de Paulo Victor. Aos 22, os mineiros pediram outro pênalti. Tardelli dividiu dentro da área com o zagueiro Léo e reclamou que foi puxado, mas o juiz não marcou.

Na pressão, o Galo marcou o terceiro gol aos 36 minutos. Marion passou para Dátolo que na entrada da área chutou forte no canto esquerdo flamenguista, 3 a 1. A torcida passou a gritar ainda mais alto e sonhar com a classificação.

E aos 39 minutos o Atlético conseguiu seu quarto gol. Marion cruzou na área da ponta direita, Tardelli disputou com a zaga e a bola sobrou para Luan marcar o gol da classificação e enlouquecer os torcedores alvinegros.

Após o gol, foi a vez do Flamengo ir para o desespero. Aos 46 minutos, Canteros chutou forte de fora da área e o goleiro Victor fez uma grande defesa e garantiu o Atlético na sua primeira final da Copa do Brasil.


Gésio Passos - Portal EBC

TRT-RN: VARA DE PAU DOS FERROS TEM NOVA JUÍZA TITULAR


TRT-RN: VARA DE PAU DOS FERROS TEM NOVA JUÍZA TITULAR


juíza Jólia Lucena da Rocha Melo

A juíza Jólia Lucena da Rocha Melo foi promovida titular da Vara do Trabalho de Pau dos Ferros, pelo critério de antiguidade, em sessão do Pleno do Tribunal Regional do Trabalho da 21ª Região (TRT-RN), presidida pelo desembargador José Rêgo Júnior.

Jólia Lucena da Rocha Melo é natalense e formou-se em Direito pela Universidade Potiguar (UNP), em 2003. Ela ingressou na magistratura em 2005, no TRT de Pernambuco. Em 2006, Jólia transferiu-se para o TRT do Rio Grande do Norte e, antes de assumir a Vara de Pau dos Ferros, atuava como juíza substituta na 1ª Vara do Trabalho de Natal.

Tramitam atualmente 2.200 processos na Vara do Trabalho de Pau dos Ferros, que tem jurisdição sobre os municípios de Água Nova, Alexandria, Almino Afonso, Antônio Martins, Coronel João Pessoa, Pau dos Ferros, Doutor Severiano, Encanto, Francisco Dantas, Frutuoso Gomes, João Dias, José da Penha, Itaú, Lucrécia, Luiz Gomes, Marcelino Vieira, Martins, Messias Targino, Paraná, Pau dos Ferros Pilões, Portalegre, Rafael Fernandes, Rafael Godeiro, Riacho da Cruz, Riacho de Santana, Rodolfo Fernandes, Olho D'Água dos Borges, São Francisco do Oeste, São Miguel, Severiano Melo, Tabuleiro Grande, Tenente Ananias, Viçosa, Patu, Major Sales, Venha-Ver, Serrinha dos Pintos e Umarizal.

Coordenadoria de Comunicacao Social


Postado por VENHA -VER /RN